Bolsonaro diz que 'algo está sendo feito errado' na área da mineração

Em entrevista, presidente acrescentou não é o momento de culpar ninguém, mas que cabe as empresas responsáveis pela exploração buscar 'meios para se antecipar aos problemas'

Em entrevista a uma rádio da cidade, o presidente Jair Bolsonaro voltou a lamentar o rompimento da barragem da Vale nesta sexta-feira, 25, mas ressaltou que esse tipo de tragédia “pode ser evitada”. Segundo Bolsonaro, a expectativa era que a tragédia de Mariana tivesse servido como alerta.

O presidente disse ainda que não é o momento de “culpar ninguém”, mas ressaltou que “algo está sendo feito errado” na área da mineração, acrescentando que cabe as empresas responsáveis pela exploração buscar “meios para se antecipar aos problemas”.

Na conversa, Bolsonaro citou o gabinete de crise foi montado em Brasília para monitorar os desdobramentos da tragédia em Brumadinho.

Entenda

A barragem da Vale rompeu nesta sexta-feira na comunidade Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte. Segundo relato de moradores, várias construções foram 'engolidas' pela lama, entre elas uma pousada e um restaurante que foram fortemente atingidos pela avalanche formada por rejeitos de minérios.

Bolsonaro pretende visitar a região neste sábado, 26. Nas redes sociais, ele lamentou o ocorrido e informou que determinou o deslocamento dos ministros do Desenvolvimento Regional (Gustavo Canuto), de Minas e Energia (Bento Albuquerque) e do secretário nacional de Defesa Civil, Alexandre Lucas Alves.

Segundo informações da Vale, a barragem Córrego do Feijão tem capacidade para 12,7 milhões de metros cúbicos. Em comparação com a barragem de Fundão, em Mariana, são 62 milhões de metros cúbicos. A tragédia da Samarco em Mariana ocorreu em 2015 e deixou 19 mortos.

Veja a região antes e depois da tragédia:

Compartilhar