Sobreviventes se esconderam na despensa da escola durante tiroteio

Estudantes ficaram 15 minutos no local até chegada da polícia

A estudante Quelly Mileny, de 16 anos, sobreviveu ao ataque na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), escondendo-se com outros colegas na despensa do colégio.

“A gente estava indo merendar no refeitório quando ouvimos os tiros. No segundo tiro, a gente saiu correndo, e o lugar mais perto era a cozinha. Na cozinha, as 'tias' nos colocaram no armazenamento de alimentos”, contou.

Quelly disse que pelo menos 30 alunos estavam no local e que ficaram escondidos por cerca de 15 minutos. “Tinha gente até embaixo da mesa”, contou.

Segundo a estudante, o grupo ligou para a polícia e para os pais, tentando avisar o que estava acontecendo na escola. “Ficamos ali esperando até que a porta foi aberta. Achamos que eram os atiradores, mas era a polícia”, relatou.

Ao lado da mãe, Quelly disse estar assustada, mas também aliviada. “Eu não via saída, pensava: ‘daqui a pouco eles vão entrar aqui porque sabem que está todo mundo aqui’. Comecei a orar, pedir a Deus e foi só Ele para poder me livrar dali”, lembrou.

Aluna do 2º ano Ensino Médio, Quelly aguardava na porta da escola, no início desta tarde, por notícias de colegas que poderiam ter sido atingidos pelos tiros. “Eu tenho um amigo bem próximo que estava na entrada da secretaria. Estou muito preocupada porque dali não tinha muito como ele correr”, disse.

Os dois atiradores chegaram à escola por volta das 9h30 da manhã desta quarta-feira, 13, durante o intervalo de aulas, e atiraram contra funcionários e estudantes. Dez pessoas, incluindo os atiradores, morreram no atentado.

Compartilhar