Justiça suspende recolhimento de apostilas da rede pública ordenado por Doria

Governador de São Paulo criticou material que aborda a diversidade sexual

A Justiça de São Paulo determinou nesta terça-feira, 10, que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), suspenda o recolhimento das apostilas dos alunos do oitavo ano da rede pública e devolva o material em 48 horas.

Um grupo de professores de universidades públicas paulistas ingressaram na Justiça com uma ação popular para anular o ato do governador.

Os professores que entraram com a ação chamam o recolhimento da apostila de "censura" e argumentam que o material apresenta diferentes formas de expressão da sexualidade humana.

No dia 3, Doria escreveu em seu perfil no Twitter que a governo havia sido alertado sobre um "um erro inaceitável no material escolar dos alunos do 8º ano da rede estadual" e pediu uma apuração sobre os responsáveis pela apostila. "Não concordamos e nem aceitamos apologia à ideologia de gênero", declarou, na rede social, o governador.

O livro traz um texto chamado "sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual", que aborda a diversidade sexual e explica diferentes termos como "transgênero", "homossexual" e "bissexual". No caso de "transgênero", por exemplo, a definição é "pessoa que nasceu com determinado sexo biológico e que não se identifica com o seu corpo".

Compartilhar