Bruno Covas diz que vai se mudar para a Prefeitura e anuncia medidas para a cidade

Rodízio suspenso, eventos cancelados e aumento de leitos estão entre as medidas tomadas pelo município

O prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou que vai passar a dormir na sede da Prefeitura para acompanhar a situação do coronavírus 24h em São Paulo. Ele divulgou as medidas que serão tomadas no município em entrevista a José Luis Datena, no Brasil Urgente.

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

"A partir de hoje, eu estou me mudando para a sede da Prefeitura, passando a dormir na Prefeitura, para acompanhar a situação 24 horas por dia”, disse o prefeito.

A principal preocupação da Prefeitura é evitar aglomerações para inibir a propagação do vírus na cidade. Todas as medidas são por tempo indeterminado.

O rodízio de carros está suspenso em toda a capital paulista, a ideia é evitar que as pessoas usem o transporte público, mesmo que do ponto de vista ambiental, não seja o ideal, como admitiu Covas.

Os eventos privados também estão proibidos. A Prefeitura não concederá alvará aos que precisam para ser realizado, e os que já existem serão cancelados. Anteriormente, a Prefeitura já tinha cancelado seus próprios eventos. Foram 481 cancelados.

Outra medida tomada é que os servidores públicos municipais com mais de 60 anos vão trabalhar em casa, assim como grupos de maior vulnerabilidade, como imunodepressivos e quem faz quimioterapia. A determinação não vale para servidores da Segurança e da Saúde.

Os servidores que continuarem trabalhando cumprirão jornada em turnos: uma parte da manhã, a outra à tarde. Ideia é mudar horários de picos em trem, metrô e ônibus.

O número de leitos de UTI dobrará. Serão mais 490 leitos em 20 dias, viabilizados pela verba liberada pelo Ministério da Saúde.

Todos os ônibus serão lavados com água sanitária no fim da linha. Os equipamentos culturais e de assistência social da Prefeitura serão fechados, exceto os de acolhimento, como os que atendem moradores em situação de rua ou que realizam cursos, por exemplo.

Por enquanto não é necessário fechar parques, mas amanhã ou depois a situação pode ser outra e, de repente, será necessário tomar medidas mais restritivas.

Bares, restaurantes, cinemas, shoppings e outros serviços do tipo seguem funcionando, mas a Prefeitura já conversa com entidades que representam esse setor, para se prepararem para um momento de maior dificuldade.

Compartilhar