Rádio Bandeirantes
Rádio BandNews FM 99.3
Band TV
Terraviva
Tamanho de fonte
Atualizado em quarta-feira, 16 de maio de 2018 - 11h17

José Fortunati deve concorrer ao Senado Federal pelo PSB

Entretanto, consolidação da candidatura do ex-prefeito de Porto Alegre depende da decisão do partido
Fortunati foi prefeito de Porto Alegre por dois mandatos / Igor de Almeira/Band Fortunati foi prefeito de Porto Alegre por dois mandatos Igor de Almeira/Band

O ex-prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, voltou a reiterar sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo PSB. Ele nega que o partido possa ter solicitado a saída dele da disputa. O que falta, ainda, é a resolução por parte do PSB entre candidatar Fortunati e Beto Albuquerque ou compor uma coligação com o Governador José Ivo Sartori, candidatando o ex-governador Germano Rigotto pelo MDB e Beto Albuquerque como representante único do PSB.

 

De acordo com José Fortunati, caso essa aliança entre as duas siglas venha a acontecer, ele estaria fora do cenário eleitoral de 2018. “O meu ingresso no PSB se deu com estas condições, de que minha candidatura seria ao senado federal. Caso o PSB decida não me escolher como um dos candidatos, não concorrerei a mais nada, estarei fora da disputa eleitoral de 2018”, disse o ex-prefeito.

 

Mesmo assim, Fortunati continua acreditando na sua candidatura. Para ele, decidida a situação no partido, a sua campanha poderia ser consolidada: “Vou começar a viajar e me apresentar, mostrar minhas ideias. Tenho plena convicção de que acabarei tendo bom retorno no interior do estado. Em todas as pesquisas estou muito bem em Porto Alegre e na região metropolitana, agora preciso consolidar minha pré-candidatura no interior do estado.”

 

Segundo o ex-prefeito da capital gaúcha, a disputa para o Senado Federal, conforme apontam pesquisas, não apresenta favoritos. Para José Fortunati, o que existe até agora é um grande empate técnico entre todos os candidatos ao senado da república. Os senadores que representam o Rio Grande do Sul atualmente são Ana Amélia Lemos, do PP, e Paulo Paim, do PT.