Prefeito de Diadema chora e denuncia aumento de 4500% no preço de máscaras

Em entrevista ao Bora SP, Lauro Michels disse que preço subiu de R$ 0,11 para quase R$ 5 – cerca de 4500%

O prefeito de Diadema (SP), Lauro Michels, fez um apelo desesperado na manhã desta terça-feira, 24, em entrevista ao Bora SP, da Band. Michels denunciou que, em meio aumento da demanda pela pandemia de coronavírus, fornecedores de materiais hospitalares estão cobrando preços abusivos, com aumento de até cerca de 4500% no caso das máscaras. (Veja a entrevista na íntegra no vídeo acima)

Segundo o prefeito da cidade do Grande ABC, a máscara de modelo mais simples, que era comprada pelo município por R$ 0,11 a unidade um mês atrás, está custando quase R$ 5 agora - 4445% a mais. Já a N95 custava R$ 5, mas está saindo por R$ 16 - alta de 220%. Michels afirma que a cidade precisa de 700 mil máscaras.

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

“É um roubo, uma vergonha o que as empresas de máscaras, as empresa fornecedoras de EPIs [equipamento de proteção individual] da saúde estão fazendo com o mercado da saúde”, disse Michels, que se emocionou ao fazer um apelo.

“É uma vergonha estar faltando as coisas e o presidente Jair Bolsonaro não fazer nada pelos prefeitos. Nós estamos desesperados. Não temos mais EPIs. Não tem como comprar, querem vender sem nota. Onde está o Cade, o Procon, as autoridades do comércio, da indústria? Estamos passando um caos. É um crime com a nação. Estou envergonhado de ser brasileiro”, desabafou o prefeito, com os olhos cheios de lágrimas.

O apresentador do Bora SP, Joel Datena, comprometeu-se a levar a denúncia ao Procon.

Vacinas em falta

Michels também reclamou de falta de vacinas contra a gripo em todo o Grande ABC. São 430 mil idosos na região, que recebeu apenas 100 mil doses. No caso de Diadema, as 12,5 mil doses se esgotaram em apenas três horas.

Compartilhar