Doria ataca campanha do governo federal contra o isolamento social

Ao Brasil Urgente, governador de São Paulo criticou a tentativa de transformar o coronavírus em debate político

O governador de São Paulo, João Doria, criticou a tentativa do presidente Jair Bolsonaro em transformar as discussões sobre a pandemia de coronavírus em um debate político. "É um debate de saúde, é importante ter bom senso e fundamentar as ações na ciência", disse, em entrevista exclusiva ao Brasil Urgente, nesta sexta-feira, 27,

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

Doria atacou a campanha do governo federal que está pedindo que a população fora do grupo de risco volte a trabalhar. "Não fiz críticas ao Bolsonaro, mas critico a decisão dele de promover uma campanha estimulando as pessoas a saírem de casa. Esse não é o procedimento. Não é a hora de sair de casa", reforçou.

"Todos os procedimentos adotados [em São Paulo] seguem protocolo da OMS [Organização Mundial da Saúde] e do Ministério da Saúde, que é o resguardo das pessoas em suas casas", acrescentou. "O respeito à quarentena até o dia 7 de abril vem desse protocol. Esperamos que até lá não precisemos renovar essa data, estamos trabalhando para reduzir o impacto de pessoas infectadas e mortes".

Ao Brasil Urgente, o governador disse que a guerra contra o coronavírus tem prazo final. "Teremos o pico agora em abril, o que é grave, e desce no final de abril, começando a estabelecer em maio. Se Deus quiser, e as pessoas ajudarem, quem sabe já em agosto voltamos às ruas, ao trabalho, aos parques", pontuou.

Questionado sobre a realização do Carnaval no Estado, um evento que tem como característica a aglomeração de pessoas, Doria disse que, na ocasião, não havia ninguém infectado em território brasileiro, o que não justificava o cancelamento da festa. "Apenas depois do Carnaval tivemos o primeiro caso que veio da Itália".

O governador, por fim, garantiu que não haverá desabastecimento nas cidades paulistas. "Os caminhoneiros estão ajudando a abastecer o Brasil, devemos muito a eles, e queria dizer que todas as estradas estão funcionando normalmente, tiramos a obrigatoriedade da pesagem, todos os postos de combustíveis também estão funcionando, assim como o sistema de alimentação", concluiu.

Compartilhar