Governo de SP pretende testar para coronavírus 26 mil moradores de áreas vulneráveis

Os bairros com maior tendência ao contágio foram definidos por critérios como falta de saneamento básico, água tratada e número de moradores na mesma casa

O governo do estado pretende testar 26 mil pessoas que moram em áreas de extrema vulnerabilidade para o coronavírus. As informações são do Lucas Jozino, da Rádio Bandeirantes.

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

A partir do CEP de vítimas e pessoas que estão hospitalizadas, a secretaria da Habitação, em conjunto a secretaria da Saúde, criou um mapa de locais que estão sob pressão da Covid-19.

Critérios como falta de saneamento básico, água tratada e regiões com muitos moradores na mesma casa definiram os bairros com maior tendência ao contágio. A maior parte dos locais é de favelas, cortiços e loteamento irregulares.

Pontos vulneráveis

O mapa de calor identificou pontos vulneráveis em bairros que lideram o número de mortes na capital, como: Sapopemba, Brasilândia, Capão Redondo, Sacomã e São Miguel.

Um deles, o Jardim Pantanal, na Zona Leste, vai ser o primeiro a ter a testagem – 3.500 dos mais de 40 mil habitantes serão selecionados por enfermeiros para fazer o exame nesta terça-feira, 14, a partir das 9 da manhã, para saber se estão com coronavírus.

O bairro já registrou 128 mortes confirmadas por covid-19.

Testagem

Segundo o secretário da Habitação, Flávio Âmary, os testes serão feitos em várias regiões até sexta-feira, 17. "O objetivo é dar um apoio maior aos moradores de locais vulneráveis, sem estrutura. Nessas áreas, o coronavírus se espalha mais rápido. Começamos na capital, vamos expandir para outras cidades do litoral e do interior", diz.

Quem for testado positivo será encaminhado para uma Unidade Básica de Saúde.

Compartilhar