Preta Gil vai denunciar hackers que invadiram seu site

A cantora Preta Gil vai entrar com uma denúncia na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática contra o hacker que invadiu seu site nesta quinta-feira. O invasor se dizia simpatizante do deputado Jair Bolsonaro.

A página ficou fora do ar, com a mensagem: “Abaixo a lei contra a homofobia”, estampada na tela. Pelo Twitter, a cantora comentou o fato. “Cheguei no Rio e fui surpreendida com mais um caso absurdo, meu Site foi Hackeado, por um fanático, que se diz defensor do Tal Deputado, mais uma vez eu me pergunto, o que está acontecendo?”, disse em sua página no microblog.

Bolsonaro não acredita que algum simpatizante dele tenha invadido o site, e especulou que a própria cantora teria feito propositalmente o suposto ataque a página. Segundo a assessoria de Preta, ela foi aconselhada pelo seu advogado a entrar com a denúncia na delegacia especializada em crimes da internet, o que deve acontecer até a próxima segunda-feira.

Hoje, a ALGBT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais)  informou que vai entrar com uma representação na PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o deputado federal. “Queremos que ele seja investigado pelo crime de racismo”, afirmou o presidente da associação, Toni Reis.

A polêmica entre Preta Gil e o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) começou na última segunda-feira, após a participação do parlamentar no quadroO Povo Quer Saber”, do CQC, na Band. Bolsonaro foi perguntado pela cantora sobre qual seria sua reação caso seu filho se apaixonasse por uma negra. O deputado respondeu que não “corria o risco” porque os filhos foram “muito bem educados” e não viveram “em ambiente de promiscuidade”, como o dela.

Ainda ontem, a Comissão de Direitos Humanos da Casa pediu que o caso seja investigado. Bolsonaro foi à tribuna se defender. Ele disse que se confundiu e achou que a pergunta se referia a homossexuais.


Redator: Marielly Campos

Compartilhar