Gil Rugai: MP pede tornozeleira eletrônica

Preocupação é com uma possível fuga do réu, que, depois de receber a sentença de 30 anos e 9 meses de prisão, continua em liberdade

O MP (Ministério Público) quer que Gil Rugai, condenado na semana passada pela morte do pai e da madrasta, use tornozeleira eletrônica, tenha o passaporte retido e compareça mensalmente ao fórum da Barra Funda, em São Paulo.

 

Segundo a Rádio Bandeirantes, a Justiça irá analisar o pedido nos próximos dias.

 

A preocupação é com uma possível fuga do réu, que, depois de receber a sentença de 30 anos e 9 meses de prisão, na última sexta- feira, continua em liberdade. Como respondeu ao processo em liberdade, ele tem o direito de permanecer solto até o fim do julgamento de todos os recursos. De acordo com juristas, isso deve levar, no mínimo, três anos.

 

Rugai chegou a se matricular na Universidade Federal de Ciências de Saúde de Porto Alegre, mas acabou desistindo de estudar na instituição.

 

Se todos os recursos forem negados, Rugai ficará menos de 4 anos em regime fechado porque, de acordo com a sentença, terá que cumprir pelo menos 1/6 da pena em regime fechado. Como já ficou preso por 2 anos e 3 meses, ele precisaria cumprir mais 3 anos e 4 meses antes de passar para o regime semiaberto.

 

São Paulo foi o primeiro Estado a utilizar tornozeleiras eletrônicas no país. Atualmente, existem 4,8 mil que monitoram sentenciados em regime semiaberto.

Compartilhar