MPF aponta ligação entre o PCC e a máfia italiana

Cocaína vinha da Bolívia e era transportada do porto de Santos para a Europa

Uma investigação do Ministério Público Federal (MPF) aponta ligação entre o Primeiro Comando da Capital (PCC) e uma das organizações que atuam na máfia italiana, a N'Drangheta. O grupo, formado por mais de 50 membros, se associava para transportar cocaína da Bolívia para a Europa.

A droga passava pelo porto de Santos e seguia para a Espanha, Holanda e Itália. A base da ação, segundo a procuradoria, seria a região de Calábria, que fica na península italiana. Para efetuar os pagamentos, a quadrilha usava uma empresa offshore com sede no Uruguai. 

A ligação entre o PCC e a máfia italiana vinha sendo monitorada desde o ano passado. Interceptações de mensagens de texto revelam o contato entre os membros do grupo com um homem chamado Dido - ele seria o contato da N'Drangheta no Brasil. Nas trocas de mensagens, eles enviavam fotografias dos lacres dos contêineres que transportariam a droga. 

Relatórios de inteligência da Polícia Federal revelaram diálogos de Dido com pessoas que trabalhavam no embarque da droga, em Santos. A cocaína vinha da Bolívia e era estocada em São Paulo até o embarque pelo porto de Santos. Entre os envolvidos, no Brasil, está um dos principais líderes do PCC na Baixada Santista, que atua como encarregado de recolher as mensalidades da facção. 

A conexão entre os dois grupos começou a ser descoberta a partir da Operação Oversea, deflagrada no fim março. Na ocasião, três pessoas foram presas em flagrante transportando 56 quilos de cocaína da Bolívia que ser transportada para a Europa. Com o grupo também haviam sido apreendidos 230 mil euros.

Compartilhar