Exército diz que documentos de supostas execuções de Geisel foram destruídos

Registros afirmam que o general sabia da morte de 104 pessoas ainda no governo Médici quando assumiu o cargo

O Exército disse que foram destruídos os documentos que poderiam comprovar que o general Ernesto Geisel, presidente do Brasil entre 1974-1979, autorizou a execução de opositores.

O memorando sigiloso da CIA, a agência de inteligência dos EUA, elaborado durante a ditadura militar, traz a afirmação de Geisel de que "perigosos subversivos" deveriam ser mortos.

Trechos dos papéis do Departamento de Estado americano perderam o sigilo em 2015, mas foram publicados nesta quinta-feira, 10, nas redes sociais pelo professor Matias Spektor, da Fundação Getulio Vargas.

O documento relata que, quando chegou ao cargo, Geisel foi informado de que 104 pessoas haviam sido mortas em 1973 pelo governo de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974). O Centro de Informações do Exército (CIE), órgão responsável pela política de assassinatos de adversários políticos do regime, pedia autorização do general para manter a política.

Geisel autorizou, então, que o método ocorresse em "casos excepcionais" e com aval do Palácio do Planalto, mediante consulta ao diretor do Serviço Nacional de Informações (SNI), general João Baptista Figueiredo.

Algumas partes do documento continuam censuradas por Washington.

Repercussão 

Após a divulgação da informação de que o ex-presidente Ernesto Geisel (1974-1979) autorizou a política de "execução sumária" de opositores do regime militar, vigente no governo anterior, diversos políticos criticaram a atitude do então presidente militar. A informação consta em memorando escrito por William Colby, diretor da Agência Central de Inteligência (CIA).

A pré-candidata do PcdoB ao Planalto, Manuela D'Ávila, afirmou que os documentos revelados perturbam todos que têm "uma história de luta pela memória e a verdade dos tenebrosos anos da ditadura militar". "As provas de que a cúpula do regime, Médici, Geisel, Figueiredo, estiveram diretamente envolvidos nos assassinatos dos 'subversivos' que ousaram desafiar o regime é uma verdade grande demais para seguir encoberta", escreveu.

"Precisamos insistir na busca da verdade e do paradeiro daqueles que foram torturados, mortos e desaparecidos com a autorização e a cumplicidade do Palácio do Planalto".

O ex-senador e hoje vereador em São Paulo Eduardo Suplicy (PT) disse que a revelação comprova o quanto os militares descumpriram a Constituição e as normas de direitos humanos. "É da maior gravidade a revelação de que, em reunião no dia 30 de março de 1974, o presidente Ernesto Geisel tenha compactuado com assassinatos praticados pelo Estado.

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) escreveu que, com a divulgação, a ideia de que Geisel havia sido "estadista" fica fragilizada. "Caiu a burrice de que a ditadura foi nacionalista. Golpistas civis e militares de 1964 serviram aos EUA. E agora, a quem servem os golpistas?", questionou.

Exército

O Palácio do Planalto já disse que não vai comentar o caso.

O Exército disse em nota que:

"O Centro de Comunicação Social do Exército informa que os documentos sigilosos, relativos ao período em questão e que eventualmente pudessem comprovar a veracidade dos fatos narrados foram destruídos, de acordo com as normas existentes à época - Regulamento para Salvaguarda de Assuntos Sigilosos - em suas diferentes edições."

Compartilhar

Deixe seu comentário