Estado Islâmico queria recrutar crianças para ataques suicidas na Europa

Menores nascidos na Síria fariam atentados em países ocidentais

O grupo extremista Estado Islâmico planejou recrutar crianças para realizar atentados suicidas na França, segundo revelou uma reportagem do jornal Le Monde.

De acordo com o veículo, que cita uma testemunha, o objetivo era levar crianças que viveram na Síria para cometer ataques em países ocidentais.

O ex-jihadista francês Jonathan Geffroy, que se diz arrependido de sua radicalização, foi ouvido diversas vezes entre setembro de 2017 e fevereiro de 2018 e revelou o recrutamento dos "filhos do Califado" para perpetrar atos extremistas na Europa.

Segundo ele, a ideia partiu dos irmãos Jean-Michel e Fabien Clain, dois representantes de alto escalão do Estado Islâmico.

Compartilhar