Centenas de presos conseguem fugir da penitenciária de Mongaguá; veja imagens

Uma rebelião acontece na unidade, com oito agentes feitos reféns; outras unidades prisionais também registram motins

Cerca de 400 presos conseguiram fugir do Centro de Progressão Penitenciária de Mongaguá, no litoral de São Paulo, nesta segunda-feira, 16.

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

De acordo com a Prefeitura, a Guarda Municipal foi acionada para auxiliar na busca pelos detentos, apoiando a ação dos policiais militares.

Até as 22h30, 174 presos foram recapturados pela Polícia Militar com apoio de agentes de segurança penitenciária.

Vídeos enviados por ouvintes da BandNews FM mostram o momento em que teria acontecido a fuga em massa do CPP Dr. Rubens Aleixo Sendin.

Assista:

Rebeliões e reféns

O Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional de São Paulo informou ainda que estão acontecendo rebeliões em algumas unidades prisionais do Estado.

Também Centro de Progressão Penitenciária de Mongaguá, oito agentes são mantidos reféns, de acordo com a entidade, após a fuga em massa.

O sindicato também contabiliza motins em unidades prisionais de Porto Feliz, Mirandópolis e Tremembé.

Leia a nota:

"Centenas de detentos fugiram do Centro de Progressão Penitenciária Dr Rubens Aleixo Sendin, de Mongaguá, no fim da tarde desta segunda-feira (16).

Há pelos menos oito servidores penitenciários reféns em meio ao motim, segundo informações que chegaram à direção do SIFUSPESP. Equipes das polícias Militar e Civil negociam a libertação dos reféns e um helicóptero Águia estão no local. Houve fuga em massa também no CPP de Porto Feliz.

As rebeliões seriam uma reação dos presos diante da suspensão das saídas temporárias e do trabalho externo, que teria sido determinada pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo(TJ-SP) como forma de prevenção ao coronavírus.
Na Penitenciária de Mirandópolis, está ocorrendo um motim no semi aberto. Não houve fugas nem reféns, mas os detentos incendiaram toda a unidade, assim como no CPP Edgard Magalhães Noronha (Pemano), em Tremembé.

O sindicato está apurando a situação e as condições dos servidores, e divulgará detalhes assim que possível. No Pemano, até o momento a informação é de que os detentos estão incendiando toda a unidade."

Compartilhar