Bailes funk acontecem em São Paulo em meio a pandemia de Covid-19

Moradores das zonas leste e sul dormem e acordam com muito barulho aos fins de semana e também ao longo do feriado antecipado pela prefeitura da capital

Os bailes funk ainda seguem acontecendo nas periferias de São Paulo em plena pandemia de coronavírus. Os moradores da zona leste e da zona sul dormem e acordam com muito barulho aos fins de semana e também ao longo do feriado antecipado pela prefeitura da capital. As informações são do repórter Lucas Herrero, da Rádio Bandeirantes

INSCREVA-SE NO CANAL BAND JORNALISMO NO YOUTUBE E RECEBA O MELHOR CONTEÚDO QUANDO E ONDE QUISER

A aglomeração de pessoas sem uso de máscara e o consumo de drogas no meio da rua são frequentes durante o baile funk. Um ouvinte da Rádio Bandeirantes, que preferiu não se identificar, denunciou que grupos de 20 a 30 pessoas se reúnem há mais de um ano na Vila Curuçá, onde fica o Jardim Robru, na zona leste.

Por lá, já foram 70 mortes por Covid-19, entre confirmadas e suspeitas. Os vizinhos ligam para polícia, pedem para que o baile funk acabe, só que nada é resolvido.

"Não tem como (dormir), rapaz. É inacreditável. E o problema é que não adianta ligar para polícia. Eles ficam até tirando sarro, dizendo: 'os incomodados que se mudem'; 'agora aqui vai ser desse jeito mesmo'; 'aqui tem dinheiro para gastar'.", disse o ouvinte.

O roteiro se repete também na região da Cidade Ademar, no Jardim Miriam, zona sul. Foram 101 óbitos relacionados ao coronavírus. O ouvinte Gerson, que é motorista de aplicativo, diz que nem dirige na região de fim de semana e agora durante o feriado porque é impossível rodar nas ruas, sempre bloqueadas pelos bailes.

"A polícia vai lá com bomba de gás lacrimogênio e para o baile. Aí os caras esperam um pouquinho, a polícia vai embora e eles retomam tudo de novo. Com esse feriado aí, é complicado", disse Gerson.

Autoridades

Em nota à Rádio Bandeirantes, a Secretaria de Segurança Pública informa que a Polícia Militar atua em todo estado por meio das operações “Paz e Proteção” para coibir a aglomeração de pessoas para formação de pancadões e impedir práticas delituosas.

Os dados da reportagem serão analisados pela PM para a reorientar as ações nas regiões mapeadas pela instituição.

Durante a quarentena foram realizadas 816 operações, que resultaram na prisão e apreensão de 121 suspeitos, captura de 39 procurados pela Justiça e elaboração de 4.630 autuações de trânsito.

Compartilhar