Temer: seria impossível sancionar 'anistia' ao caixa 2

Ele concede coletiva ao lado de Renan Calheiros e Rodrigo Maia

O presidente Michel Temer afirmou, em entrevista coletiva neste domingo, que a voz das ruas precisa ser ouvida e diz que seria impossível para ele sancionar a 'anistia' ao caixa 2. "Não há a menor condição de levar adiante essa proposta", reiterou.

Ele concedeu coletiva no Planalto ao lado dos presidentes do Senado, Renan Calheiros e da Câmara, Rodrigo Maia.

"Nós temos outras propostas para o país. Vamos votar as matérias econômicas que são prioritárias para retomarmos o crescimento da economia", disse Calheiros. 

Segundo o presidente do Senado, até o final do ano serão concluídas as votações da LDO e da Lei Orçamentária de 2017.

Já Maia afirma que há uma "falha de comunicação" na questão da anistia ao caixa 2. Ele negou que exista tentativa de anistiar crimes.

Projeto contra corrupção

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, disse que projeto anticorrupção deve ser votado pelo plenário da Casa na próxima terça-feira (29), sem a anistia a crimes eleitorais como o caixa 2.

Na última quinta-feira, o plenário aprovou, em votação simbólica, a urgência para votar o texto da comissão especial que analisou as propostas anticorrupção enviadas pelo Ministério Público Federal ao Congresso.

Contudo, com o receio de que uma anistia ao caixa 2 fosse votada, alguns partidos apresentaram requerimento para votação nominal e a tramitação da proposta foi suspensa.

Segundo Maia, está havendo “uma confusão legítima” na sociedade acerca da possibilidade de anistia ao caixa 2 e outros crimes eleitorais e isso só será esclarecido quando a Câmara encerrar definitivamente a votação do pacote anticorrupção.

Veja a entrevista coletiva de Temer:
 

Leia mais

Renan defende ampliar medidas contra corrupção

Temer não será investigado, diz Comissão de Ética

Boechat fala sobre gravação de conversa com Michel Temer; assista

Compartilhar