Doria nega candidatura ao Planalto

Tucano também fez discurso pela permanência do partido no governo

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a negar nesta segunda-feira (7) que seja candidato à Presidência da República no ano que vem e, com uma retórica eminentemente nacional, defendeu que os quatro ministros tucanos do governo do presidente Michel Temer (PMDB) continuem nos cargos, em meio à divisão do partido sobre a permanência na gestão do peemedebista.

"Eu não sou candidato a presidente da República, sou candidato a ser um bom prefeito da cidade de São Paulo. Essa é a minha responsabilidade, é isso que eu tenho procurado fazer", disse o tucano. Doria fez ainda uma defesa da conciliação nacional, tema frequentemente abordado por Temer, e da aprovação das reformas em tramitação no Congresso Nacional.

Defesa de Temer avalia pedir suspeição de Janot
Reforma da Previdência será 'a possível', diz Temer

"O PSDB tem quatro ministros, muito bons, que atuam no governo com muita eficiência, com destreza, são prestigiados e, a meu ver, podem perfeitamente continuar seu trabalho onde estão", disse Doria em entrevista coletiva após participar, ao lado de Temer, de cerimônia para assinatura de acordo para transferência da União ao município da área do Campo de Marte, na zona norte da capital paulista.

BandNews Tv: Governo transfere parte do Campo de Marte para Prefeitura de SP


O local, que era alvo de disputa entre a cidade e a União há décadas, deverá receber um parque e um museu aeroespacial. Em seus discursos na cerimônia, Doria e Temer destacaram o entendimento sobre a questão.

O presidente afirmou que o prefeito é um homem que conhece os problemas do Brasil, além de chamá-lo de "amigo" e "bom companheiro".

Leia também: Parlamentares buscam Bolsonaro por vaga de vice


Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), principal fiador da candidatura do atual prefeito na eleição do ano passado e que tem defendido que o PSDB não tenha cargos no governo Temer, não compareceu à cerimônia.

"O governador Alckmin tem sido um bom parceiro. Leal, correto e tem recebido também a nossa lealdade... A nossa relação continua sendo muito boa. Continua e continuará sendo sempre muito boa e muito positiva", disse Doria, que afirmou que Alckmin não foi ao evento por entender que "era momento da prefeitura" por "delicadeza, por gentileza" e por ser "tão grandioso na sua alma".

Economia e conciliação

O prefeito elogiou a condução econômica do governo federal e quis "deixar bem claro" que avalia que a equipe econômica liderada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, faz um bom trabalho.

"O confronto, as situações extremadas, não contribuem para o Brasil, não contribuem para a economia brasileira e nem para a confiança dos mercados... Confiança nos mercados vai se traduzir gradualmente na geração de novas oportunidades, novos investimentos e, consequentemente, a retomada do emprego", disse Doria, ecoando discurso recorrente de Temer pela "pacificação nacional", que voltou ao tema nesta manhã.

"A minha preocupação é com o Brasil", disse Doria. "O Brasil precisa estar conciliado para votar as reformas no Congresso Nacional, finalizar a reforma trabalhista, iniciar um debate mais intenso sobre a reforma previdenciária, iniciar e concluir a reforma política, pelo menos com vistas às eleições de 2018, e ter o Brasil reconciliado com o crescimento".

Você viu? 
Doria: acabou ciclo de Aécio no comando do PSDB
Gestão Doria corta salários de artistas do Municipal

Compartilhar