Sem Reforma da Previdência, Meirelles prevê aumento brutal de impostos

Entretanto, ministro da Fazenda garantiu que não há previsão para aumento para este ano já que o orçamento está equilibrado

Após o decreto da intervenção federal no Rio de Janeiro, a Reforma da Previdência foi suspensa pelo governo. Para o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, a suspensão não significa um "sepultamento" da proposta. 

"Ela está suspensa até que seja encerrada a intervenção no Rio, que é um assunto prioritário, não poderia ser adiada. Terminando isso, a Reforma é pauta número 1 (no Congresso)", afirmou em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, no programa 90 Minutos, da Rádio Bandeirantes, nesta quarta-feira (21).

Mesmo com o "atraso" na votação da proposta, Meirelles disse que "não há previsão de aumento de impostos esse ano". De acordo com ele, "o orçamento de 2018 está equilibrado". Entretanto, caso não a Reforma da Previdência não seja aprovada, a previsão é de "aumentos brutais" de impostos no país.

"O déficit vai crescendo a cada ano. Daqui 10 anos, a despesa com as previdências deve chegar a 80% do orçamento da União. A questão é quando será feita essa reforma", explicou à RB.

"Café velho e frio"
Meirelles também comentou sobre as declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em classificou a pauta econômica apresentada pelo governo como um "café velho e frio".

Sobre o assunto, Henrique Meirelles afirmou: "Acho que há um mal entendido em relação à lista. A lista é algo que analisa e prioriza os diversos projetos que já estão em tramitação no Congresso". 

Pré-candidato?
O ministro da Fazenda não descartou uma possível candidatura à Presidência da República. 

"No momento eu não estou pensando nisso. Tem uma série questões a serem avaliadas. Vamos ver como estarão os próximos números da economia e, no devido tempo, ver a questão política, partidária..."

Compartilhar

Deixe seu comentário