Moro determina prisão de Lula após STF negar recurso de defesa

Ex-presidente deve se entregar à Polícia Federal de Curitiba até às 17h desta sexta-feira (6)

O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, determinou a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta quinta-feira (5). O magistrado pediu que o petista se entregue à Polícia Federal de Curitiba, no Paraná, até às 17h dessa sexta-feira (6).

"Relativamente ao condenado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, concedo-lhe, em atenção à dignidade do cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17:00 do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão", diz Moro no despacho.

LEIA O DESPACHO NA ÍNTEGRA

A ordem veio logo após o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) autorizar Moro a determinar o cumprimento da pena. A decisão do TRF4 acontece um dia após o Supremo Tribunal Federal (STJ) rejeitar o pedido de habeas corpus da defesa de Lula na Suprema Corte.

No despacho, Sérgio Moro vetou que Lula seja algemado no momento em que se apresentar à Justiça. Por "critérios de segurança", a Polícia Federal já reservou uma sala separada da carceragem para o petista.

"Esclareça-se que, em razão da dignidade do cargo ocupado, foi previamente preparada uma sala reservada, espécie de Sala de Estado Maior, na própria Superintência da Polícia Federal, para o início do cumprimento da pena, e na qual o ex-Presidente ficará separado dos demais presos, sem qualquer risco para a integridade moral ou física", acrescenta o magistrado.

O ex-presidente Lula foi condenado em duas instâncias da Justiça a 12 anos e 1 mês de prisão, com início em regime fechado, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso tríplex do Guarujá.

Tríplex no Guarujá é o motivo da condenação de Lula

Compartilhar