Após reunião, Bolsonaro decide apoiar fusão entre Boeing e Embraer

Presidente negou veto após se convencer de que o negócio de US$ 5 bi não afeta os interesses do Brasil

O governo de Jair Bolsonaro não deve vetar o acordo entre as fabricantes de aeronaves Boeing e a Embraer para criar uma nova empresa de aviação comercial nesta sexta-feira, 11.

A decisão foi tomada após o presidente Bolsonaro se convencer de que o negócio de US$ 5 bilhões não afeta a soberania e os interesses nacionais.

Ele se reuniu com representantes das Forças Armadas e equipes do governo para resolver não exercer o poder de veto.

Dessa forma, a Boeing ficará com 80% da nova empresa, que será responsável pela área de aviação comercial atualmente da Embraer.

Compartilhar

Deixe seu comentário