Ronaldo Cunha Lima morre aos 76 anos

Ex-governador da Paraíba lutava contra um câncer do pulmão e estava em coma induzido desde a última quinta-feira

Morreu neste sábado o ex-governador da Paraíba Ronaldo Cunha Lima, pai do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). Ex-vereador, ex-senador, ex-prefeito e ex-deputado federal, Ronaldo Cunha Lima lutava contra um câncer no pulmão desde o ano passado. A morte foi confirmada por Cássio Cunha Lima pelo Twitter. “Os Poetas não morrem! O Poeta Ronaldo Cunha Lima, após uma vida digna, descansou”, postou o senador.

Desde a última quinta-feira, Ronaldo Cunha Lima estava em coma induzido e morreu hoje pela manhã, aos 76 anos, na casa da família, em João Pessoa. O corpo do político será velado no Palácio da Redenção durante todo o dia e à noite segue para Campina Grande, onde será também velado no Parque do Povo. O enterro está marcado para amanhã, às 11h, no Cemitério Monte Santo.

O governo da Paraíba divulgou nota de pesar assinada pelo governador Ricardo Coutinho. “O governo da Paraíba lamenta o falecimento do ex-vereador, ex-prefeito, ex-deputado estadual, ex-senador, ex-governador e ex-deputado federal Ronaldo Cunha Lima. De formação humanista e inspiração lírica, o escritor e acadêmico, profundo conhecedor e seguidor de Augusto dos Anjos, usaria a advocacia e a política para o pragmatismo da vida, mas repousaria na poesia sua certeza de posteridade. Já era eterno antes de agora”, diz trecho da nota.

Vida e carreira

Ronaldo Cunha Lima nasceu na cidade de Guarabira, em 18 de março de 1936. Ainda jovem, mudou-se com a família para Campina Grande. Ronaldo formou-se em ciências jurídicas pela Faculdade de Direito da Universidade Federal da Paraíba, mas desde cedo a vocação para a política passou a marcar sua trajetória. Fez parte do Centro Estudantil Campinense, um verdadeiro celeiro de líderes políticos da região, chegando a ser vice-presidente da entidade.

No dia 5 de dezembro de 1993, quando era governador da Paraíba, Ronaldo Cunha Lima atingiu o ex-governador Tarcísio Buriti com dois tiros na boca, em um restaurante de João Pessoa. Após o ocorrido, a Assembleia Legislativa da Paraíba rejeitou o pedido de licença, formulado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), para processar e julgar o governador, conforme denúncia oferecida pelo Ministério Público no STJ.

Compartilhar

Deixe seu comentário