Delta deixa consórcio de lixo de Campinas

Empresa integrava o consórcio Tecam; grupo ganhou licitação de limpeza pública em 2006

Investigada por envolvimento com o empresário Carlinhos Cachoeira e fraudes em contratos públicos, a construtora Delta deixa de integrar o contrato de lixo de Campinas. A saída ocorre depois de seis anos de prestação de serviço de limpeza dentro do consórcio Tecam – Tecnologia Ambiental, que era formado por quatro empresas: Delta Construções, Tejofran, Severo Villlares e MB Engenharia.

 

Veja a edição do Metro Campinas desta quarta-feira

 

A saída da Delta foi oficializada ontem no ‘Diário Oficial’. Na publicação oficial, a prefeitura informa que a mudança não “acarreta nenhuma alteração no contrato celebrado.”

 

O secretário de Assuntos Jurídicos, Manuel Carlos Cardoso, disse que a exclusão foi necessária “porque a construtora está impedida de participar de licitação.” Segundo informações da prefeitura, o pedido de desvinculação da empresa do consórcio foi pedida em abril. Porém, a Tecam foi obrigada a apresentar garantias à administração de que o contrato seria cumprido integralmente.

 

Os serviços na área de limpeza pública, englobando as coletas de lixos, varrição de vias e praças públicas, tratamento e destinação final dos resíduos sólidos urbanos, serão de responsabilidade da Tejofran, Severo Villares e MB Engenharia.

 

Denúncias

 

O suposto esquema de corrupção envolvendo o presidente da Delta, Fernando Cavendish, foi descoberto quando da prisão do empresário Carlinhos Cachoeira. As investigações mostram que a construtora teria repassado quase 1 bilhão de reais para irrigar campanhas e bolsos de políticos de todo o país. Em Campinas, a empresa chegou a fazer serviços de pavimentação desde o governo Hélio de Oliveira Santos (PDT).

 

Este ano, dois contratos no valor de R$ 15 milhões entre a Delta e a prefeitura foram suspensos por determinação do Ministério Público. Isso porque a verba utilizada para a pavimentação deveria ser usada para habitação popular. A reportagem não conseguiu falar com a Delta e nem com a Tecam.

Confira outras edições do Metro pelo país

Compartilhar