Bolsonaro: golpe militar deu liberdade ao Brasil

Junto de seus dois filhos também parlamentares, Jair Bolsonaro comemorou o aniversário do golpe de 1964

Junto de seus filhos que também têm mandatos como parlamentares, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) comemorou, nesta terça-feira, 31 de março, os 51 anos do golpe militar que instaurou a ditadura que durou por mais de 20 anos no País. 

Com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e o estadual Flávio (PP-RJ), Jair reuniu um pequeno grupo em frente ao Ministério da Defesa, em Brasília, com cartazes de apoio aos militares e ao golpe. 

Em meio a fogos de artifício, o parlamentar afirmou que os “militares salvaram o Brasil de uma ‘cubanização’”. “O 7 de Setembro nos deu a independência. O 31 de março a liberdade”, disse Bolsonaro no vídeo, embalado por uma trilha militar.

Jair aproveitou a ocasião para criticar o governo do PT, há 12 anos no comando do país. Segundo ele, a gestão petista está na “contramão” do primeiro mundo. “Esse povo usa as armas da democracia para golpeá-la”, afirmou o deputado mais votado do Rio de Janeiro. 

De acordo com relatório divulgado pela Comissão da Verdade no final de 2014, 434 pessoas morreram ou desapareceram no regime militar (1946-1988).

Durante os 21 anos do golpe instaurado em 1964 e celebrado ontem por Bolsonaro, as práticas de mortes, torturas, desaparecimentos forçados, ocultações de cadáveres e prisões arbitrárias fizeram parte de uma política sistemática, de acordo com a comissão. 

Compartilhar